domingo, 19 de novembro de 2017

Das lágrimas

   Era uma vez uma menina muito chorona, sensível, que tantas vezes ouvia "você chora por tudo!" "você é chorona"... 
   ...E dos choros leves de criança por tristezas pequenas, com o chegar da adolescência e da vida adulta, a cada nível mais difícil de turbulência que atravessava, o choro tornava-se mais intenso, mais doído e mais difícil de cicatrizar. 
    Sim, a cada choro abria uma pequena ferida no coração que passou a ser reaberta tantas vezes. Descobriu-se que a intensidade do amor que sentia cicatrizava as feridas, mas quando algo ia mal, era como se ela sangrasse e se rasgasse ainda mais no peito. Até tornar-se um nó na garganta constante, uma hipersensibilidade e uma carência nostálgica que desejava voltar ao tempo em que as dores eram leves. 
   A tristeza tornou-se às vezes imaginar as dores que estão por vir e sofrer por antecipação.    
 A tristeza tornou-se desmotivação, inferiorização e baixa auto-estima. 
  Tornou-se tentar tapar buracos com dinheiro e bens materiais. 
  Afundou-se ainda mais e tornou-se solidão em meio a pessoas amadas. 
   Tornou-se desafeto contra si mesma.
   Tirou a alegria de momentos leves e deixou um nó na garganta sem fim e lágrimas esperando para cair numa noite de sábado.
  Tirou a constância de uma serenidade e deixou um furacão de sentimentos confusos. 
  Trouxe a desesperança em sentir-se amada ou se amar. 
  Trouxe a vontade de se isolar e conhecer o outro lado.
...
...
...
 Mas há de curar-se.

S.C.P.S.

sexta-feira, 14 de março de 2014

Amélia Rodrigues

Você é Isso

Um clarão que desponta 
Nas trevas do coração ... 
Um elo transparente 
Das carícias à ilusão... 
Um afeto que surge 
E fortalece a união, 
Sempre pronto para ser,
Poder estar, viver
Pleno de amor
E amargura no coração.
Um ser que busca
A cidade
Da alma do amigo,
Que escorrega no seu pranto
E abafa o seu grito ...
Alguém que aceita a dor
Como um lenitivo
Nas luzes enegrecidas
Pelo fumo do inimigo ...
A fuga discordante
De um momento de paz
Quando chora o amor
Que tanta falta lhe faz.
Você é isso
Que eu encaro, reparo
E aceito
Como um amigo que tenho
No peito
Junto à liberdade
De ser quem sou. 

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Para ser eterno basta 1 minuto

  Como é difícil para nós reconhecermos nossas próprias fraquezas. Talvez a aceitação mais difícil seja a da limitação de nossa própria existência. Sabemos que não somos eternos, mas jamais haverá qualquer meio para se descobrir o último dia ou para prolongar nossas vidas por pelo menos mais um século (e será que isso seria bom?). Eis o grande sonho da alma humana: ser eterno - e, contraditoriamente, a morte torna-se o tema que mais nos tortura em vida e o que nos faz perder nosso tão precioso tempo com angústias e tristezas.
  Ora, pois a receita para ser eterno é simples. Se somos capazes de fazer cada momento eterno e de sermos eternos no coração de outras pessoas, temos nossa missão muito bem cumprida. Pensando assim, não temos tempo a perder senão aproveitando cada minuto sagrado que recebemos de presente. É aí que tudo passa a ter grande significado - passamos a entender que cada minuto que outras pessoas passam conosco são presentes que elas deixam para nós e que devemos retribuir a outros que passam por nós. Mas e aqueles que nada trazem de bom e tornam os momentos desagradáveis? A eles, damos o tempo, para que eles façam a mesma descoberta que fazemos um dia. Então, eles descobririam que, para ser feliz, basta apenas um minuto...
   ...Um minuto? Sim. O verdadeiro valor de tudo o que existe está no minuto que dedicamos não só à nossa felicidade, mas também à dos outros (e, consequentemente, teríamos igualmente a nossa). E, assim, aprenderíamos a valorizar os próximos minutos seguintes, pois daríamos sentido a cada coisa que fizéssemos. Assim, ninguém desejaria parar o tempo, mas que os próximos minutos viessem para que cada um pudesse valer o máximo possível. Será mesmo tão simples assim? É só fazer o teste, são apenas 60 segundos.
    Resumindo: amar nos faz eternos.
   Temos sido eternos em cada minuto de nossa existência?
   Temos amado em cada minuto de nossa existência?

S.C.P.S.



domingo, 29 de setembro de 2013

Lispector

Clarice dizendo tudo, mais uma vez....

A perigosa arte de escrever

'Minhas intuições se tornam mais claras ao esforço de transpô-las em palavrasIsso eu escrevi uma vez. Mas está errado, pois que, ao escrever, grudada e colada, está a intuição. É perigoso porque nunca sei o que virá - se se for sincero.Pode vir o aviso de uma destruição, de uma auto-destruição por meio de palavras. Podem vir lembraças que jamais se queria vê-las à tona. O clima pode se tornar apocalíptico. O coração tem que estar puro para que a intuição venha. E quando, meu Deus, pode-se dizer que o coração está puro? Porque é difícil apurar a pureza: às vezes no amor ilícito está toda a pureza do corpo e alma, não abençoado por um padre, mas abençoado pelo próprio amor. E tudo isso pode-se chegar a ver - e ter isso é irrevogável. Não se brinca com a intuição, não se brinca com o escrever: a caça pode ferir mortalmente o caçador.

Clarice Lispector -  A descoberta do mundo

Das expectativas

Espera-se muito da vida e muito, muito pouco de nós mesmos.
Como e possível, então, que a vida se transforme sem que possamos enxergar nossa própria dimensão para sermos capazes de fazer mudanças?
(...)

S.C.P.S.